Buscar
  • Filia Dei

Três Motivos Para O Purgatório Ser Melhor Do Que Esta Vida

Atualizado: Jul 31

(Hilary White) O que aconteceu com a morte? Há algumas semanas atrás, eu estava assistindo a um vídeo de um padre ortodoxo americano falando sobre Covid19 e a pobreza espiritual da atitude moderna em relação à morte, mesmo entre cristãos crentes. O Padre Josiah Trenham é o pastor da Igreja Ortodoxa de St. Andrew, em Riverside, Califórnia, e citou outro padre, que observou: "Você sabe, ninguém quer mais morrer". O comentário é dramático. Ele atinge todas nossas suposições inconscientemente secularistas. Os ortodoxos mantêm a antiga visão cristã - elucidada pelos Padres Patrísticos - da morte como a "catarse do mal", significando a purgação ou purificação do nosso próprio mal e do mundo. Padre Trenham relata a conversa reveladora, dizendo: “Isso me impressionou. Eu disse: 'Esse é o maior resumo da resposta que vimos em nosso país à [crise de Covid] que eu poderia dar. Você está certo. Ninguém quer mais morrer. '... E então ele disse:' Ninguém quer mais Jesus, a Segunda Vinda. O fim do Novo Testamento ... O clamor do coração cristão de uma era para outra ao longo dos séculos foi esse; Maranata! Venha, Senhor Jesus, venha. "Ele disse que ninguém quer mais morrer e ninguém quer mais a Segunda Vinda." Isso, o Padre Trenham disse que é “o veneno de uma rica sociedade secular; que realmente queremos nos apegar a essa vida barata que temos na terra ", em vez de desejar de todo o coração" o Reino de Deus na próxima vida ".

"A vida abundante que Jesus oferece é obtida apenas através da morte." Há muito a lamentar sobre a perda da atitude católica em relação às Quatro Últimas Coisas. E não é tudo culpa do Vaticano II. Podemos atribuir isso a muitas coisas; o protestantismo geral da fé, particularmente em países de língua inglesa como os EUA, Grã-Bretanha e Canadá; o grande avanço da modernidade em direção às coisas materiais, as preocupações mundanas que vieram com os booms econômicos do pós-guerra; a certeza narcisista da geração hippie de que a morte seria algo que só aconteceria com outras pessoas... Na Igreja Católica, certamente podemos vincular claramente a perda do “memento mori” a uma perda geral da consciência do pecado e ao colapso da Confissão como prática regular desde o Vaticano II. Com a negação da morte e o apagamento do pecado, o medo da condenação eterna parece ter evaporado e, junto com ele, qualquer pensamento de preparação para a próxima vida. De fato, existem muitas paróquias em todo o mundo onde nenhum tempo de confissão é incluído na programação sacramental semanal, com ou sem um surto viral global.

A Igreja dos Bons Momentos Durante a crise do Covid19, um crescente número de vozes católicas se fez ouvir contra a paralisação da Igreja pelos bispos e o desaparecimento de padres. Em alguns lugares, sacerdotes heróicos - freqüentemente contra a vontade de seus bispos - empregavam meios criativos para permitir que os fiéis continuassem a ter acesso aos sacramentos, mas esses eram raridades. Na maioria dos lugares do mundo católico, as igrejas foram simplesmente trancadas e os fiéis ficaram sem missa. Dado que nos disseram que o vírus era mortal e que estávamos todos em perigo de morte (em certas partes da Itália isso era manifestamente verdade), era duplamente ultrajante que a Igreja simplesmente se retirasse atrás de portas trancadas, deixando o rebanho sem nenhum cuidado pastoral. Minha própria aldeia da Úmbria foi um caso típico, não havia informações sobre o paradeiro ou como entrar em contato com um padre por qualquer circunstância. Uma nota escrita à mão foi colada no quadro de avisos da paróquia que dizia simplesmente: "Todas as missas estão canceladas". Nenhum número de telefone, site ou endereço de email foi incluído. Se a Covid realmente tivesse sido um novo desastre de saúde na escala da Peste Negra, o desaparecimento quase completo dos pastores da cena certamente teria sido um dos escândalos mais ultrajantes em nossos 2000 anos de história. Parece que entre as mensagens que podemos aprender dessa experiência de completo abandono está: na era pós-conciliar, na era do bem-estar, na era das missas de palmas e mais palmas, nas canções folclóricas de apertar as mãos e no dedilhar de guitarra, a Igreja não mais "inclui" a morte. A Igreja Católica do Vaticano, onde ninguém nunca fala ou pensa sobre as Quatro Últimas Coisas, é, na melhor das hipóteses, uma amiga para os bons momentos.

NÓS somos agora a ressurreição e a vida

Parece ser o resultado do miasma pós-conciliar com perfume de patchouli que quer dizer que a própria morte não é muito importante. Eles contornam o pensamento inevitável de que todos, de fato, morrerão - incluindo os hippies - simplesmente mentindo: todo mundo vai para o céu porque Deus é realmente bom. Além disso, quase todo mundo já é um santo de qualquer maneira, porque ser um santo é realmente fácil. Tudo isso fica claro em uma missa fúnebre católica novus ordo. O falecido é inevitavelmente elogiado pela santidade prematura e se alguém estiver pensando em orar por ele em vez de para ele, podemos apenas manter essa coisa neopelágica rígida para nós mesmos. Sob Paulo VI, aprendemos que a Missa e a Santa Eucaristia não são tão importantes quanto nos haviam dito anteriormente. Então, porque tínhamos um novo Deus amigável e agradável que não se importava com julgamento, o pecado também não era muito importante. A confissão se transformou em terapia barata para ajudar você a superar seus problemas com isso. E aqui está o problema: ter abolido o pecado, e com a própria morte praticamente banida, não precisamos mais da ressurreição do Filho de Deus. Acabamos de usar nossos poderosos poderes, levantando-nos como pessoas maduras, adultas, na Ressurreição da Páscoa, e desejamos a morte e o julgamento no milharal novus ordo do Vaticano II. Nenhum inferno abaixo de nós e o Céu aqui mesmo na Terra.

Mas estamos apavorados com a morte. A crise da Covid19 nos ensinou que toda a nossa insatisfação e arrogância sobre a morte é uma farsa total. Durante três ou quatro meses febril, o mundo inteiro foi dominado por um terror mortal ofuscante, não cristão, que expulsou qualquer outra preocupação humana e espiritual. Ficamos chocados e tristes na Itália com as histórias de idosos morrendo sozinhos em hospitais, enfermarias e em casa, famílias proibidas de ajudar os avós no final de suas vidas. Vimos o funcionamento econômico de toda a nação totalmente fechado e, embora o governo prometesse dinheiro para o nada subitamente não empregado, realmente se materializou nesta nação envolvida pela burocracia. Pequenos negócios de todos os tipos entraram em colapso, deixando pessoas, anteriormente prósperas, de repente carentes -- em um país com pouco em termos de "rede de segurança social". Tudo por causa de um pavor da morte que teria confundido nossos ancestrais espirituais. Nada poderia ter demonstrado com mais força o quão longe de nossas raízes culturais no cristianismo chegamos.

Voltamos ao terror pagão da morte que supera todas as outras preocupações, que apaga todos os laços da comunhão humana? As culturas pré-cristãs de todo o mundo fizeram coisas inimaginavelmente horríveis para apaziguar deuses terríveis, sombrios e desconhecidos -- por medo de morte ainda mais sombria e desconhecida. Nós realmente esquecemos que sabemos o que acontece na morte? Sabemos com certeza que devemos banir todo medo; a morte enfaticamente não é desconhecida para os cristãos.

A “catarse do mal” - o Purgatório é a cura para o que nos aflige O que nossos antepassados cristãos sabiam que esquecemos? São João Crisóstomo escreve contra esse medo pagão entre os que se dizem cristãos:

"Fico corado de vergonha ao ver grupos de mulheres indesejáveis passarem pelo mercado, arrancando os cabelos, cortando os braços e as bochechas, e tudo isso sob os olhos dos gregos. Pois o que eles não dirão? O que eles não vão dizer sobre nós? São esses os homens que filosofam sobre uma ressurreição? De fato! Quão incoerentes são suas ações em relação às suas opiniões! Eles filosofam sobre uma ressurreição, mas agem exatamente como aqueles que não reconhecem uma ressurreição. Se eles acreditassem plenamente na ressurreição, não agiriam assim; se eles realmente se convencessem de que um amigo falecido partira para um estado melhor, não lamentariam".


Os ortodoxos não acreditam no purgatório, mas a idéia por trás disso é a mesma. Essa "catarse do mal", esse expurgo e aperfeiçoamento, sabemos, é alcançada para aqueles em estado de graça no final da vida através de "um lugar ou condição de punição temporal, mas que" não estão totalmente livres de falhas veniais, ou não pagaram totalmente a satisfação por suas transgressões ”. Os santos nos dizem claramente que a maioria dos bons cristãos que morrem em estado de graça ainda terá essa expiação para fazer.

Existem três razões inatacáveis para agradecer fervorosamente pelos sofrimentos do Purgatório: Sabemos que o purgatório é a "catarse do mal" - o expurgo de todo mal em nós mesmos. Apocalipse 21:27 nos diz que "... nada imundo entrará no [Céu]". Sabemos que é a cura para as coisas em nós mesmos que somos impotentes por conta própria para resolver. Para os católicos em estado de graça, a morte pode não ser, como dizem os pagãos, um "fim ao sofrimento", mas é um fim, finalmente, ao pecado. Não podemos pecar no purgatório, nem podemos pecar contra, é uma liberdade que nenhum ser humano vivo pode desfrutar. O purgatório nos dá a alegria deste alívio e uma segurança que não podemos sequer imaginar nesta vida. Na morte, a alma que entra no "lugar ou condição" do Purgatório está totalmente segura; ela está em uma condição de segurança que nunca conheceu na vida. O medo do inferno termina para sempre.


A terceira razão é que ele nos aperfeiçoa a um nível que nem os maiores santos poderiam alcançar em vida. Como meu amigo e colega colunista aqui no The Remnant, Padre Paul MacDonald disse recentemente: “Os castigos no Purgatório estão nos preparando para a felicidade eterna. Eles são medicinais, e sem eles não podemos desfrutar de uma união com Deus. A constante alegria e paz das almas no Purgatório é, creio, provada apenas brevemente pelos santos da terra. ” Nenhuma outra religião afirmou com tanta firmeza uma razão para o sofrimento humano. O budismo está certo em um sentido de que toda a vida está sofrendo; mas se recusa a responder à pergunta por quê. Nós sabemos que é pelo pecado. Sabemos que fizemos isso conosco mesmos. Mas também sabemos que existe uma cura que é gratuita e livremente dada por Deus. Uma coisa sobre esta vida da qual não podemos escapar são as conseqüências do pecado. Estamos imersos nelas. Sofremos danos morais, físicos, psicológicos, emocionais e até simples danos materiais causados ​​pelo pecado, e os psicólogos admitem que muitas vezes essas mágoas não podem ser totalmente curadas. Pecamos repetidamente, e carregamos os danos desses pecados por toda a vida. Muitas vezes nos sentimos impotentes nas garras de uma força que é gerada por nossa má vontade e, ao mesmo tempo, está estranhamente fora de nosso controle. São Paulo resumiu essa estranha agonia da fraqueza humana dizendo:

Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de agir, pois não faço o que prefiro, e sim o que detesto. Ora, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa. Neste caso, quem faz isto já não sou eu, mas o pecado que habita em mim. Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não, porém, o efetuá-lo. Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço. Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim. Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal reside em mim. Porque, no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei de Deus mas vejo, nos meus membros, outra lei que, guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros. (Romanos 7:15-23) O purgatório acaba para sempre com este problema completamente insolúvel, essa fonte de tanto medo e confusão incompreensíveis. Corrige o único problema que somos completamente incapazes de resolver sozinhos. Uma das maiores fontes de sofrimento nesta vida é o sofrimento mental. Especialmente agora, sofremos uma terrível incerteza, porque não sabemos para que serve a vida ou como vivê-la. E acima de tudo, muitas vezes não acreditamos que alguém nos ame. Para os filhos da geração do divórcio e os horrores da Revolução Sexual, a idéia de que Deus realmente nos ama é a mais difícil de entender. Imagine uma vida inteira vivida sem uma crença fundamental de que vale a pena amar. Isso é quase todo mundo da nossa era, a era do divórcio, da dissolução da família e do abandono. No Purgatório, esse enorme e insolúvel problema desaparecerá instantaneamente para sempre. Teremos conhecimento do amor de Deus que estava completamente indisponível nesta vida. Não será perfeito, como será na Visão Beatífica, mas será perfeito na promessa. Saberemos que somos amados de uma maneira que ninguém nesta vida poderia conhecer, e saberemos com uma certeza incontestável que apenas um amor cada vez melhor - Amor Infinito - está destinado a ser nosso para sempre. A propósito, é a crença da Igreja que as almas, enquanto ainda estão no Purgatório, estão orando por nós, mesmo que não possam mais orar por si mesmas. A misericórdia será demonstrada aos misericordiosos. Como diz Crisóstomo, "não hesitemos em ajudar aqueles que morreram e em oferecer nossas orações por eles". __________ Orações com aprovação eclesiástica: 

“Pai eterno, através do coração triste e imaculado de Maria, ofereço-te as feridas de nosso Senhor Jesus Cristo, por todas as almas do Purgatório, para curar suas feridas, limpar todas as suas manchas e pagar todas as suas dívidas. " “Meu Jesus, pelos méritos das tuas santas feridas: descanso eterno lhes concede, ó Senhor, e deixa a luz perpétua brilhar sobre eles. Que eles possam descansar em paz."

.


Fonte: https://remnantnewspaper.com/web/index.php/articles/item/4993-three-reasons-purgatory-will-be-better-than-this-life



34 visualizações
  • Facebook
  • Twitter

©2020 por Pérolas Católicas. Orgulhosamente criado com Wix.com